Top 5: Nirvana

Hey pessoas!! Como vão??

 

Se existem duas datas no calendário de qualquer fã do bom e velho rock’n’roll que sempre significarão alguma coisa, independente do ano, são 20 de fevereiro e 05 de abril.

Isso porque, em 20 de fevereiro de 1967, nascia na cidade de Alberdeen em Washington o cara que revolucionaria a cena do punk rock mundial e se tornaria uma das maiores lendas do rock: Kurt Donald Cobain. E apenas 27 anos depois, em 05 de abril de 1994, esse mesmo cara daria fim à própria vida, deixando uma carta de suicídio onde dizia que “era melhor queimar de uma vez, do que ir se apagando aos poucos”, algo sobre morrer no auge em vez de arriscar cair no esquecimento…

Quando o Nirvana estava no auge eu ainda era um bebê e só fui conhecer sua obra uns 15 anos depois. Não vou mentir e dizer que é a minha banda favorita (eu prefiro Foo Fighters e Red Hot), mas é impossível para mim gostar de rock e ignorar tudo o que o Nirvana significa. Acho que, se existisse uma escola que ensinasse como ser um roqueiro de verdade, haveria uma matéria toda dedicada ao impacto que o Nirvana teve no mundo da música e uma outra inteiramente dedicada a tentar entender como funcionava a cabeça perturbada e genial de Kurt Cobain.

E como eu sou uma pessoa mais propensa a comemorar nascimentos, fica para hoje, dia em que Kurt comemoraria 50 anos de vida, o Top 5 inteiramente dedicado à maior banda do movimento punk/grunge de todos os tempos.

Senhoras e senhores, com vocês, as minhas cinco músicas favoritas do Nirvana!

 

5. Lithium

 

4. Sliver

 

3. Pennyroyal Tea

 

2. Smells Like Teen Spirit

Porque hino é hino…

 

1. Come As You Are

Mais conhecida como uma das poucas músicas que eu sei tocar no violão…

 

Pronto! Essas são minhas cinco músicas favoritas do Nirvana! Lembrando que esta lista é totalmente baseada no meu gosto pessoal e não tem nada de técnico ou profissional, beleza? É tudo na base do ouvido mesmo…

Agora me contem, vocês curtem Nirvana? Qual sua música favorita e por quê? Deixem nos comentários!

kurtgif

Por hoje é isso e keep exploring!

assinaturajubs

Barulho: Novidades Green Day & Red Hot Chili Peppers

Hey pessoas!! Como vão??

 

A gente nem teve tempo de decorar o refrão de “Bang Bang“, lançamento mais recente dos caras do Green Day, e não é eles vieram com mais novidades?

Na última sexta-feira, 9 de setembro, Billy Joe Armstrong e seus companheiros lançaram “Revolution Radio“, faixa-título do novo álbum da banda, previsto para ser lançado no início de outubro. Com direito a lyric video e tudo!

Você nem precisa ouvir a música inteira para entender que ela segue a pegada de “Bang Bang”, mas eu aconselho que você ouça sim até o final que é para ter certeza de que toda qualidade do single anterior sobrou para “Revolution Radio”, onde podemos ver de novo, o Green Day das antigas com aquela nova pegada, aquele frescor que ultimamente não está rolando nem para as bandas novas…

Sério, se o novo álbum do Green Day for metade do que promete ser, vem aí um dos melhores álbuns de 2016!

E para não deixar os fãs esfriarem, depois de “Revolution Radio”, a banda ainda nos agraciou lançando ontem o clipe oficial de “Bang Bang”:

Frenético, rock’n roll e surpreendente como só eles sabem ser, o clipe faz o conjunto perfeito com a música e nos mostra que não precisa de muito pra se fazer um bom trabalho, basta ter pegada!

 

E por falar em clipe, também na última semana, os caras do Red Hot Chili Peppers lançaram o clipe do terceiro single de The Getaway, álbum mais recente da banda…

Ok, minha primeira reação a esse clipe foi “WTF?”, hahahaha…

Sério mano, o que é esse Anthony Kieds de tanguinha??? Hahahahah… Mas tudo bem, eu já estou acostumada, porque são anos e anos de ouvir Red Hot e eu sei bem que “convencional” não é uma das palavras favoritas dos caras, não.

Só não entendi a escolha da música. Já vi muita gente falando muito bem dela e concordo que seja uma boa música mas, na minha opinião, “Go Robot” é totalmente “esquecível”, não tem cacife para ser single e não chega aos pés de outras músicas do álbum, como “Dark Necessities”, o primeiro single…

Bom, setembro tem sido um mês bem fértil no que diz respeito a grandes lançamentos, então, fiquem ligados nos próximos Barulhos, porque vem coisa boa por aí…

E se você quer ganhar uma sacola de Harry Potter e a Criança Amaldiçoada, contendo 20 marcadores de páginas + 2 livros, tá esperando o que para se inscrever para o sorteio que está rolando aqui no blog?

 

Por hoje é isso e keep exploring!

Assinaturas

 

Barulho: Green Day is Back! #BEDA17

Hey pessoas!! Como vão??

 

O ano de 2016 parece estar sendo o ano dos “comebacks“, né?

Já tivemos Red Hot lançando álbum depois de bastante tempo, tivemos Blink-182 seguindo a mesma linha e agora, assim como quem não quer nada, mais uma banda queridinha da minha adolescência decide testar meu coração lançando single novo após quatro anos de espera!

Siiiim amigos! Green Day is back com direito a single novo e álbum novo no forno, já com data prevista de lançamento!

Mas pra que perder tempo falando? Vamos logo ao que interessa, que é ouvir essa belezinha de música, com direito até a lyric video

Lembram quando eu falei sobre o single novo da Fergie e reclamei que ela ficou o maior tempão sem lançar material novo e que, quando decide lançar, faz exatamente a mesma coisa que fazia há dez anos atrás?

Então, o Green Day fez a mesma coisa, só que de um jeito tão diferente que deu muito, mas muito certo mesmo… Eu não sei explicar direito, porque vocês sabem que eu não entendo as partes técnicas de uma música, eu sei o que meu coração diz, o que a música me faz sentir quando eu a escuto.

O grande lance aqui é que a música da Fergie foi algo totalmente previsível, com uma vibe forte de alguém que estava tentando demais.

Já a música do Green Day tem a essência da banda, a cara deles, aquela vibe do Green Day do início dos anos 2000, que foi o Green Day que eu conheci. Só que eles vão além, cara! Tem um “quê” a mais nessa música (que eu não sei dizer o que é exatamente), que foi mais ou menos o que o Blink e o Red Hot fizeram. Eles ousaram se reinventar sem perder a essência. Eles não tentaram demais, simplesmente foram o bom e velho Green Day que a gente conhece, só que versão 2016…

E isso, galera, não é pra qualquer um não…

O novo álbum do Green Day se chamará Revolution Radio, tem data de lançamento prevista para 07 de outubro e já pode ser encomendado na pré-venda aqui.

E aí?! Curtiram o som novo?

 

Por hoje é isso e keep exploring!

BEDA2016

Assinaturas

Barulho: Dia do Rock

Hey pessoas!! Como vão??

 

Se você é um apaixonado por música como eu, deve estar dando pulinhos de alegria no dia de hoje, né? E se você está aí, sem ideia do que está acontecendo, cola comigo que eu te explico: hoje, dia 13 de julho, é considerado o Dia Mundial do Rock e o L’Explorateur não podia deixar essa data tão linda passar em branco.

Há 31 anos, no dia 13 de julho de 1985 acontecia o Live Aid, megashow de rock em prol do fim da fome na Etiópia. O mais legal é que, na verdade, foram dois shows acontecendo de forma simultânea na Filadélfia e em Londres. Aí, em determinado momento, Phill Collins, disse que gostaria que aquele dia fosse lembrado como o dia do rock, então, 5 anos depois, duas rádios brasileiras lembraram-se da data e começaram uma campanha para que ela passasse a ser comemorada anualmente.

E assim nasceu o Dia Mundial do Rock que, ironicamente, só é comemorado no Brasil.

Mas comemorado ou não, ninguém pode negar que o rock é um gênero musical de muita atitude e berço de diversos gênios da música, né? E Para os leigos que querem aprender um pouco ou para os roqueiros de carteirinha, aí vai uma pequena linha do tempo com os grandes nomes do Rock and Roll mundial…

 

Anos 50

Foi nos anos 50 que tudo começou. Nomes como Chuck Berry, Jerry Lee Lewis e Little Richards misturaram a música country, considerada branca com o rhythm and blues dos negros e criaram um ritmo novo, cheio de balanço e atitude.

A música “Rocket 88” de Jackie Brenston and his Delta Cat é considerada a primeira música ronck and roll gravada, A primeira banda de rock? Bill Haley & His CometsFoi nessa época também que Elvis Presley apresentou ao mundo sua voz maravilhosa e sua icônica forma de dançar.

Ah, sem esquecer que essa década nos deu de presente também o “Homem de Preto”, Johnny Cash!

 

Anos 60

Nos anos 60 o rock subiu à cabeça da juventude e nasceram várias das bandas que nós veneramos até hoje, como os Beatles, por exemplo…

Nasceram também os primeiros rebeldes do rock, como os Rolling Stones…

O movimento hippie ganha força e os ídolos da geração “Flower Power” também começam a aparecer…

Aqui no Brasil o rock, que até então era representado pela Jovem Guarda, ganha contornos mais liberais e menos caretas com o surgimento de nomes como Os Mutantes…

 

Anos 70

Foi a década onde o rock ganhou guitarras mais pesadas, dando origem ao Heavy Metal. A partir daí, vemos bandas com caras cabeludos e roupas escuras dominando o cenário.

Hey! Mas nem só de Heavy Metal e escuridão viveu os anos 70, viu? Foi também nessa década que um certo Starman começou a brilhar forte, marcando o início de mais um estilo: o glam rock…

Enquanto isso, aqui em terras tupiniquins, a gente aprendia que é melhor ser uma bela de uma metamorfose ambulante, do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo…

E cadê as manas?? Foi nos anos 70 que Joan Jett, Cherry Currie e as gatas do The Runaways provaram que a mulherada sabe sim pegar numa guitarra e, se bobear, manda melhor que muito barbado por aí…

E teve mais! Nos anos 70, nascia o Queen e o punk, que se firmou como um braço forte do rock, nos dando de presente bandas como Ramones e Sex Pistols…

 

Anos 80

Ufa! Depois de toda agitação dos 70’s, os anos 80 vieram numa pegada mais calma, talvez até um pouco deprê, trazendo consigo bandas como The Cure, com seu visual dark e lápis de olho borrado…

Foi também o início do rock alternativo, tendo o R.E.M. como seu representante máximo e os “good boys” do rock começaram a aparecer também, tendo o U2 como líder…

Começam a surgir bandas grandes até hoje como Guns’ n’ Roses, Red Hot Chili Peppers e The Smiths…

Enquanto isso, no Brasil, a gente testemunhava o nascimento de nomes como Barão Vermelho, Paralamas do Sucesso, Capital Inicial, RPM, Sepultura e Legião Urbana, assim como nosso xodó, o Rock in Rio… Sem esquecer que foi nessa década que a ideia do dia do rock surgiu, né?

 

Anos 90

Ah, os anos 90! Foi a década em que nasceu o grunge, um estilo que marcava não só um tipo de rock, mas também o comportamento e até a forma de se vestir de toda uma geração… Foi aí que o mundo ganhou o Nirvana e o Nirvana ganhou o mundo!

Sem esquecer dos meus queridos do Pearl Jam…

E teve também mais um novo tipo de rock nascendo: o pop punk. Que teve nos fanfarrões do Green Day seus representantes…

Aqui no Brasil, as coisas iam de vento em popa com caras como o Skank, os Raimundos, Charlie Brown Jr. e os saudosos Mamonas Assassinas…

 

Anos 2000

Foi uma verdadeira mistura, né?? Nasceram bandas que contavam com diversas influências e mais três estilos se firmaram: o nu metal do Linkin Park…

O hardcore do CPM 22 e do Dead Fish…

Foi aí que eu comecei a frequentar festivais de música, caí de amores de vez pelo rock e conheci meus musos do Forfun…

E o emocore… Sim, os emos foram muito zoados, coitados, mas ninguém pode negar que eles marcaram época, né?

Teve a baiana arretada da Pitty botando mais uma vez o nome das manas no cenário do rock…

Teve também o surgimento dos Strokes, que foram considerados “a salvação do rock”, assim como o indie rock do The Killers e do Arctic Monkeys…

 

E nos dias de hoje…

Bom, hoje em dia é meio difícil definir uma banda ou artista em um estilo só, né? Há tantas misturas e influências acontecendo o tempo todo… Algumas bandas dos anos 90 e 2000, como Coldplay e Foo Fighters representam bem a juventude roqueira dos anos 2010, que pode-se dizer que é um tanto saudosista… E também estão marcando nossa década nomes como Paramore, Of Monsters and Men, Imagine Dragons e Foster the People… Tem também os reality shows musicais, sempre revelando nomes como Scalene, Suricato, OutroEu…

Mas, como a década ainda não acabou, só nos resta aguardar e apreciar os novos nomes que surgem todos os dias. E para a juventude de hoje eu deixo um conselho: vão ao máximo de festivais que vocês puderem, não importando se são famosos ou não. É lá que você vai aprender a curtir música de verdade, mas ó, tenta fazer isso sem ficar filmando ou fotografando o tempo todo com o celular, tá? A verdadeira magia acontece ali, na troca entre a banda e seu público… #ficadica de alguém que já foi a mais festivais do que consegue se lembrar… 😉

 

Por hoje é isso e keep rocking!

Assinaturas

Fonte: Cifra Club

Top 5: Dia do Rock! \m/

Hey pessoas!! Como vão??

 

Hoje é dia de rock, bebê!! Precisa falar mais??

No dia 13 de julho do ano de 1985, alguns dos mais importantes artistas do cenário do rock mundial se reuniram em uma série de shows simultâneos que tinham como intuito de arrecadar fundos para ajudar a erradicar a fome na África.

Os shows contavam com nomes como Phil Collins, U2, Paul McCartney, Queen, David Bowie, entre outros monstros… Nesse dia, Phil Collins disse que gostaria que aquele fosse considerado o dia do rock e teve seu pedido atendido… Pelo menos aqui no Brasil…

É que, apesar de se chamar “Dia Mundial do Rock” a data só existe por aqui e foi criada em meados dos anos 90 por duas rádios brasileiras muito fortes no seguimento…

E como boa roqueira que sou desde os 14 aninhos de idade, hoje vou celebrar essa data com 5 das músicas que, pra mim, mais representam o rock… Prontos? So let’s rock!

 

1. Joan Jett – I Love Rock ‘n’ Roll

 

2. Kiss – Rock and Roll All Night

 

3. Rolling Stones – (I Can’t Get No) Satisfaction

 

4. Beatles – Twist and Shout

 

5. Elvis Preasley – Blue Suede Shoes

 

E é isso, pessoas!! Não podia deixar de falar desse dia tão legal e tão importante pra mim… Agora me dá licença, que eu vou ali pegar meus tênis surrados, minha camiseta de banda e meus óculos escuros… 😉

A minha playlist completa vocês encontram no Spotify, clicando aqui.

Por hoje é isso e keep rocking!

 

balão2

 

 

Top 5: Parcerias Nacionais

Hey pessoas!! Como vão??

 

Lembram que semana passada eu listei aqui as 5 parcerias internacionais do mundo da música que eu acho mais legais (Clique aqui para relembrar)? Pois bem, hoje vou compartilhar com vocês as 5 parcerias nacionais que eu mais gosto!

Tem algumas músicas bem famosinhas e algumas que nem todo mundo conhece. Tem rock e tem MPB também, que foi um ritmo que, eu respeitava muito, mas comecei a apreciar faz pouco tempo…

Prontos ou não, lá vai!

 

1. Ira e Pitty – Eu Quero Sempre Mais

Letra linda, melodia gostosa e a combinação perfeita do grave do Nazi com o agudo meio rouco da Pitty! Sem esquecer do Edgar Scandurra arrebentando ali no violão! Essa música foi paixão à primeira vista e tem aquela coisa que toda música boa tem, que é a capacidade de arrepiar o corpo todo…

 

2. Leoni e Herbert Vianna – Por que Não Eu

Essa música fazia parte da trilha sonora de uma novela que eu não me lembro qual é… Só lembro que ouvia só um trechinho ou o refrão quando tocava e achava linda a letra… Aí fui pesquisar e encontrei essa parceria linda de se ouvir…

 

3. Charlie Brown Jr. e Forfun – O Universo a Nosso Favor

Não preciso nem falar que nessa parceria estão unidas simplesmente as duas bandas brasileiras mais queridas do meu coração… Vejam também a versão abaixo, que mostra como a música foi gravada e aproveitem pra matar um pouco a saudade do #ChorãoEterno…

 

4. O Teatro Mágico e Zeca Baleiro – Xanéu Nº 5

Eu gosto de Teatro Mágico mas não gosto de todas as músicas… Só que essa daqui foi uma que chamou muito a minha atenção desde a primeira vez que eu ouvi… Cara, como a voz do Zeca Baleiro é perfeita, né?!

 

5. Cássia Eller e Nando Reis – Relicário

E vocês acham que essa parceria ia ficar de fora? Eu simplesmente guardei o melhor para o final, porque além de uma parceria linda na música, Cássia e Nando eram uma parceria linda de vida também…

 

Pronto! Agora que vocês já conhecem minhas parcerias brazucas favoritas, fiquem à vontade para comentar as parcerias favoritas de vocês também, ok?

Por hoje é isso e keep exploring!

balão2

Barulho: Forfun – NU

Hey pessoas!! Como vão??

Finalmente!! Depois de dois anos de espera minha banda favorita lançou CD novo e é claro que eu não poderia deixar de dividir isso com vocês.

Não vamos chamar isso de uma crítica musical, primeiro porque eu não sou crítica e não entendo das técnicas, só tenho bom ouvido, que foi treinado durante 25 aninhos de ouvir música 24h por dia. Segundo porque esse post é só pra dividir com vocês o trabalho da banda brazuca que eu mais ouço e já fui na maior quantidade de shows na minha vida… Sério, eu já fui em muuuuitos shows do Forfun…

Enfim, chega de falar sobre a minha obsessão com essa banda e vamos falar de música!

Forfun – NU

nu3

Vendo a capa, quem conheceu o último trabalho do Forfun, o “Alegria Compartilhada” com sua capa colorida, já dá pra sacar que vai ser mais pesado, mais sério. O mais legal do Forfun é que, para quem ouve desde a adolescência como eu, você se sente crescendo com eles. Cada álbum até agora teve uma vibe, e você consegue sentir que é a vibe da banda naquele momento. E é um trabalho coerente, que muda mas não muda, sabe? Eles continuam falando das mesmas coisas mas sempre com uma nova abordagem e é lindo acompanhar. Agora vamos conhecer as faixas desse novo trabalho dos meus musos! 😉

1. O Baile Não Vai Morrer

Funk dos anos noventa, Claudinho e Buchecha! Foi nisso que eu pensei quando ouvi essa música, que é um funk misturado com rock. Os caras do Forfun são cariocas e o funk é algo cultural no Rio. Achei válido eles levantarem a bandeira de que o baile funk no RJ precisa ser organizado e não eliminado. Ponto pra faixa de abertura!

2. Alforria

Esse foi o primeiro single que foi lançado para divulgação do álbum. Caiu como uma luva na época em que foi lançado porque era aquele momento pré primeiro turno das eleições e nos deu uma oportunidade de dar uma refletida no que queríamos e devíamos fazer quando chegasse a hora de ficar cara a cara com a urna. Só é uma pena que nem todo mundo tenha ouvido e algumas pessoas acabaram fazendo besteira…

3. Mariá

Cantem comigo: “Mariáááá, Maria com acento no aaaaaaa…” Não tem jeito… Já virou hino! A música fala de pessoas, de pessoas diferentes e eu adorei! Como eu disse, já virou hino. 😉

4. Considerações

E para quem se perguntava onde estava o bom e velho hardcore assinatura do Forfun, tá aí! “Considerações” tem aquela pegada das primeiras músicas, me lembrou muito o “Teoria Dinâmica Gastativa”. Quando eu ouvi, fui instantaneamente transportada de volta para os meus 16 aninhos… Ai, ai….

5. Muitos Amigos

Na primeira vez que ouvi essa música, estranhei muito… Ela me soou meio boba… Maaaaas, depois eu fui me acostumando com a letra e vendo que conheço e gosto de muitos dos artistas citados e agora gosto dela. A música fala sobre as amizades e inspirações da banda e eu acho que foi isso que me conquistou depois que eu prestei mais atenção.

6. Stoked

Sonzinho gostoso e com uma letra bacana. Essa música veio pra lembrar que o Forfun não esqueceu de falar sobre sentimentos não… Mais uma que vai virar hino! Já me imagino no show deles cantando a plenos pulmões: “Stoked, stoked, i’m stooookeeedd…”

7. Previsão do Tempo

Eu não gostei dessa música #prontofalei. Quando você ouve, dá para perceber que é como se você estivesse assistindo ao noticiário. Até aí ok, mas eu sinto falta de uma organização na música, de uma lógica não na letra mas na disposição das estrofes, deu pra entender? Ah, sei lá… Não gostei… E olha que a parte instrumental é muito boa…

8. Arriba y Avante

“Ahorita” parte dois?? Não sei, mas que já temos um terceiro hino nesse cd, isso está claro como cristal… Prevejo pessoas tatuando frases dessa música… E já consigo me ver dançando no show com essa vibe delícia! Acho que é a minha favorita do álbum…

9. Coisa Pouca

Olha o hardcore aí de novo!! Quando eu ouvi os primeiros segundos dessa música, eu já sabia que iria gostar dela! Foi uma intuição forte que só se confirmou. O refrão é perfeito para se cantar bem alto, do jeitinho que eu gosto… Essa é a  minha segunda favorita…

10. Bolo Cosmoman

Forfun cantando em inglês! Muito, muito mas muito amor por essa música! Eu não sei se entendo muito bem o que “Bolo Cosmoman” que dizer mas eu gostei porque senti uma vibe meio “Eremita Moderno” e eu amo essa música! Mais pontos pro Forfun…

11. A Vida Me Chamou

A primeira parte dessa música me lembrou o Gabriel O Pensador dos anos 90, não sei bem porquê… Só sei que gostei da letra e prevejo um quarto hino!

12. O Papa é Pop (Extra)

Essa música é um extra que vem na versão deluxe do cd. Se eu fosse o Humberto Gessinger do Engenheiros do Hawaii estaria orgulhoso do cover desses meninos. Ficou lindo! Eles conseguiram cantar a música como se fosse deles mas sem tirar o mérito dos Engenheiros, sabe? Muito amor!

No final das contas eu achei um álbum muito bom. Eu sempre fico apreensiva toda vez que um artista que eu gosto lança algo novo, porque eu tenho medo de não gostar e perder o encanto, sabe? Quando eles lançaram “Alforria” e eu vi que a pegada leve do Alegria Compartilhada tinha ficado para trás e fiquei com medo de não gostar. Mas bastou confiar no trabalho dessa banda que eu tanto gosto para ver que eles sempre vão me surpreender e eu sempre vou gostar… 😉

Quem quiser saber mais informações sobre a banda e o álbum, é só clicar aqui.

Bom, por hoje é isso. Espero que vocês tenham gostado tanto quanto eu.

Keep Exploring!