Histórico de Busca do Meu Navegador

Hey pessoas!! Como vão??

 

Eu sei, eu sei, eu andei sumida e as coisas andaram meio paradas por aqui. Mas é que os últimos dias foram tão corridos que não sobrou tempo nem para sentar e escrever.

Mas para compensá-los pela falta de conteúdo, eu resolvi voltar hoje, que é o dia da Consciência Negra, para inaugurar a Semana da Consciência Negra aqui do blog!

É isso mesmo, exploradores! De hoje até sábado, vocês vão ter as mesmas categorias de postagens de sempre, mas todas sobre o mesmo tema. Eu espero com isso poder abrir um espaço para conversarmos sobre racismo, representatividade, história do povo negro, beleza negra e coisas que nos ajudem a refletir sobre o espaço que as pessoas negras ocupam na sociedade.

E para começar, vou fazer algo que nunca faço, que é compartilhar coisas um pouco mais pessoais com vocês…

Bom, é o seguinte: o Trump ganhou a eleição nos Estados Unidos, né? Pois é. Tem quem ache que antes ele do que a Hillary, tem quem esteja desesperado com o resultado e tem ainda quem ache que não vale a pena se preocupar com algo que está acontecendo em outro continente.

Acontece que eu tenho planos de fazer intercâmbio ano que vem, a ideia inicial é ir para os Estados Unidos, mas depois dos últimos acontecimentos, eu comecei a refletir sobre qual seria a minha situação, caso eu tivesse que ir morar em um país governado por um cara que fazia questão de espalhar mensagens racistas sempre que aparecia em público, durante a campanha.

Não me entendam mal, eu não estou defendendo nem atacando ninguém. A questão toda foi que, depois de saber que Trump governará o país para o qual eu pretendo viajar, não vou mentir, rolou um medinho aqui e eu até cogitei viajar para a Europa ao invés da América do Norte.

Até aí, tudo bem né? É… Se eu fosse branca, estaria tudo bem, sim.

Uma coisa que é preciso que as pessoas saibam: as coisas não são tão simples assim quando se é negro no Brasil, imagina sendo negro em um continente de maioria caucasiana.

Com isso em mente, arrumei um novo problema: qual país da Europa escolher? De novo, se eu fosse branca, era só escolher o que mais me agradasse e ok. Mas sabe qual foi o problema? E se eu escolhesse o país com base apenas no que eu achasse mais legal e acabasse em um país racista?

mapa-racismo

Mapa do racismo no mundo, segundo Max Fisher do Washington Post. As cores representam a porcentagem da população que respondeu “pessoas de outra raça” quando perguntados que tipo de pessoas eles não gostariam de ter como vizinhos.

Resultado: todas as minhas pesquisas sobre novos destinos começaram a seguir um padrão peculiar. Em vez de pesquisar somente “intercâmbio na Bélgica”, por exemplo, eu pesquisava “racismo na Bélgica” primeiro e, com base nos resultados da pesquisa, partia para as coisas relacionadas ao intercâmbio…

Pois é. Antes de escolher um país para o intercâmbio, eu preciso saber qual o grau de racismo que eu posso encontrar por lá. Não é estranho?

Na dúvida, continuo com os Estados Unidos, porque pelo menos eu sei o nível de racismo que me espera por lá…

Ps: de acordo com a minha pesquisa, a Bélgica é meio racista, sim…

 

Por hoje é isso e keep exploring!

Assinaturas

Anúncios

3 comentários sobre “Histórico de Busca do Meu Navegador

  1. Pingback: Tag: 7 coisas para 2017 – ISABELLA CAS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s